HomeNotíciasItapevaPolíticaMotoristas de transporte escolar municipal reivindicam auxílio financeiro do governo municipal

Motoristas de transporte escolar municipal reivindicam auxílio financeiro do governo municipal

Itapeva, Política
Motoristas de transporte escolar com contratos com a Secretaria Municipal Educação reclamam da demora por um desfecho da lei de auxílio na Câmara Municipa de Itapeval
Motoristas de transporte escolar com contratos com a Secretaria Municipal Educação reclamam da demora por um desfecho da lei de auxílio na Câmara Municipa de Itapeval

Por conta da pandemia do novo coronavírus, com as escolas municipais fechadas, os motoristas que fazem o transporte contratados pela Secretaria Municipal de Educação relatam que estão sem dinheiro para pagar as contas e manter as famílias.

Os motoristas afirmam que houve queda de 80% de renda com o prorrogamento do decreto estadual de quarentena. Muitos não sabem como vão conseguir se sustentar este mês.

Em Itapeva, a Secretaria de Educação não informou quantos motoristas de transporte escolar que atuam exclusivamente em linhas escolares municipais vivem essa realidade atualmente. Segundo o vereador Marinho Nishyama (MDB) autor de um projeto de lei que pede pagamento de auxílio aos motoristas, a situação é alarmante. Em contrapartida, há um parecer jurídico que indica que o projeto de lei possui vício de iniciativa.

A lei municipal proposta pelo vereador de oposição também está aguardando parecer do vereador Edivaldo Negão (PP) que vem sendo duramente criticado pelos pares qaunto a demora de emitir o parecer. O vereador foi acusado por uma colega de legislatura de seguir ordens do gabinete do prefeito para retardar a entrega do parecer o máximo de tempo possível. Nenhuma prova da alegação foi demonstrada apesar da acusação.

Um dos representantes da categoria, entrou em contato com servidores da Secretaria de Educação, e disse que todos estão abertos para negociação de alguma ajuda, inclusive recebimento de cestas básicas. Além disso, os motoristas reivindicam uma ajuda em dinheiro por parte do governo municipal.

A secretária de Educação, Patrícia Matos não se posicionou oficialmente sobre o assunto até o momento.